Atualmente, tendo consciência das vantagens significativas com a implementação do BIM, o Brasil está a dar importantes passos no sentido de incentivar e implementar o uso desta metodologia em todo o país. Em Portugal, embora a implementação do BIM esteja a ocorrer de maneira mais gradual, importantes ações de sensibilização para os benefícios que decorrem do uso desta metodologia estão a ser levadas a cabo pelo governo e autarquias locais. Embora  Brasil e Portugal não se posicionem na linha da frente quanto ao uso de BIM, revela-se uma tendência ao aumento do uso desta metodologia nos próximos anos e uma procura exponencial por profissionais especializados.

O que é o BIM? BIM (Building information modeling, em inglês) trata-se de uma metodologia de trabalho tecnológica e colaborativa que permite a criação de modelos virtuais 3D do projeto de construção, incorporando todas as informações multidisciplinares atualizadas ao longo de todo o seu ciclo de vida. Ao facilitar a comunicação entre todas as equipes que intervêm no desenvolvimento do projeto, o uso de BIM traz grandes benefícios para as empresas do setor AEC, tais como a minimização dos erros humanos na fase de desenvolvimento dos projetos, a redução dos consequentes e inesperados incrementos de custos, o aumento da produtividade, qualidade e sustentabilidade dos projetos, somado a uma gestão mais eficaz do tempo e recursos. Por tudo isto, aos olhos dos especialistas do setor, o uso de BIM é visto como imprescindível nas políticas nacionais e internacionais dentro do setor AEC e como a chave que abre a porta a uma nova era da construção mais sustentável, eficiente e rentável.

Plano para a implementação do BIM no Brasil 


O uso de BIM é obrigatório no Brasil desde o ano de 2021 para determinados projetos públicos. Esta iniciativa tem a finalidade de contribuir para que esta metodologia seja o novo padrão na indústria da construção e que a sua exigência esteja cada vez mais presente na licitação de obras públicas, como poderá ver através do seguinte seminário. 

Efetivamente, com o objetivo de acompanhar as tendências internacionais do mercado da construção civil, o Governo Brasileiro elaborou um plano que prevê a implementação de BIM em todo o âmbito nacional até 2028. Este plano se compõe de três fases:

  • Primeira fase (a partir de janeiro de 2021): o uso de BIM é obrigatório no desenvolvimento de projetos de novas construções e ampliações, bem como na reabilitação de edifícios;
  • Segunda fase (a partir de janeiro de 2024): a tecnologia BIM será obrigatória no desenvolvimento de projetos de engenharia e arquitetura e na gestão de obras, seja de maneira direta ou indireta, além de abranger os usos previstos durante a primeira fase;
  • Terceira fase (a partir de janeiro de 2020): o uso de BIM será obrigatório na fase de gestão e manutenção do edifício após a sua construção. Esta fase engloba também os usos previstos durante as duas fases anteriores.

Tudo isto antecipa que as empresas ligadas à área da engenharia civil, arquitetura e construção civil devem ter em mente que, a curto prazo, precisam preparar-se para esta transformação tecnológica do setor. Nomeadamente, as empresas devem levar a cabo um processo que requer não só a implementação de tecnologia BIM mediante a aquisição de novos softwares, mas também a formação ou contratação de profissionais especializados. Abaixo, temos o importante exemplo da Casa Enseada, um projeto executado na cidade de Porto Alegre, no Brasil, onde o uso da metodologia BIM foi crucial tanto em fase de projeto quanto de execução, que somadas demoraram menos de um ano. 

implementação do BIM Casa Enseada

Fig. 1. Casa Enseada, Projeto arquitetônico de Eduardo L. Maurmann, Elen B. N. Maurmann, Paula Otto, Luiza Otto e equipe Arquitetura Nacional. Retirado de: http://www.arquiteturanacional.com.br/casa-enseada/ (31/03/2022)

As empresas assinalam os custos que implicam esta mudança como a principal barreira a esta transformação, embora tenham bem presente as vantagens provenientes da implementação de BIM e reconheçam que, a longo prazo, conseguiriam o retorno do investimento da implementação inicial. De fato, o número de empresas que têm intensificado a aplicação da tecnologia BIM nos seus projetos está em crescimento contínuo desde há vários anos e a previsão é que, num futuro não muito distante, esta metodologia englobe a maioria das empresas ligadas ao setor AECO. Para citar alguns exemplos, as empresas Petrobras e o Senai usam esta metodologia há bastante tempo. Além disso, várias ações de sensibilização e difusão da metodologia BIM são organizadas por todo o país. O BIM Forum Brasil, por exemplo, com quem a Zigurat renovou este ano uma parceria, é um grande impulsionador deste tipo de atividades.

Estado atual da implementação e uso de BIM em Portugal 


A situação em Portugal quanto à implementação e uso de BIM partilha pontos de semelhança e dissemelhança relativamente à situação presente no Brasil. Apesar do uso da tecnologia BIM estar ainda numa fase inicial, muitas empresas e especialistas do setor estão já bastante sensibilizados quanto às vantagens que a implementação generalizada desta metodologia traria para a indústria, além de estarem cientes de que, num futuro próximo, as empresas precisam de embarcar nesta transformação tecnológica de maneira a acompanhar as tendências e exigências do mercado. Neste sentido, pode-se já observar uma mudança no panorama geral da indústria da construção. A este respeito, Frederico Ramos, diretor de arquitectura da ARC ICS afirmava que

Se o governo tornasse obrigatório o desenvolvimento dos projetos em BIM, a poupança que ia gerar nos projetos de infraestruturas iria libertar verbas suficientes para alimentar a formação dos técnicos e combater alguns dos problemas da infraestruturação inicial”.

Tudo aponta para uma implementação mais ampla no território nacional. Tal como observam Pedro P. Machado et al. (2021, p. 142) num recente estudo, verifica-se desde janeiro de 2017, uma taxa de aumento do Índice de Produção na Construção, segundo dados do INE em 2018. Além disso, o número de contratos de empreitadas de obras públicas aumentou 86%, tendo atingido os 829,5 M€ no primeiro semestre de 2017. É ainda digno de salientar que a produção global anual na indústria da construção cresceu um 5,9% em 2017 e com previsão de crescimento de 4,5% em 2018.

implementação do BIM Portugal

Fig. 2. Foto de Lisboa, Portugal.

Estes dados sugerem que este é o momento ideal para apostar na implementação da metodologia BIM no setor da construção em Portugal. De facto, empresas como a Águas e Energia do Porto já adotou o uso de tecnologias de ponta e ferramentas de inteligência artificial para apoio nas suas operações diárias, o que aumentou a sua produtividade operacional em 20% mediante o uso de gémeos digitais. Tendo presente o crescimento da indústria AECO, as empresas portuguesas devem ter em conta nos seus orçamentos a curto prazo a imprescindibilidade em aplicar a transformação digital da área, de maneira a garantir a sua competitividade, seja a nível nacional ou internacional, e satisfazer as necessidades mais urgentes do mercado. Além disso, há que acrescentar que foi já criada uma comissão técnica (CT197) coordenada pelo Organismo de Normalização Setorial do Instituto Superior Técnico (ONS/IST) que trabalha na normalização do BIM em Portugal. Várias atividades de sensibilização e disseminação da metodologia BIM têm também sido levadas a cabo pelo Grupo de Trabalho BIM (GTBIM) e pelo BIM Forum Portugal, que buscam acelerar a transformação digital deste setor no país.

Oportunidades laborais e de formação em BIM


Como vemos, Portugal e Brasil são países promissores que caminham a bom ritmo na adoção da metodologia BIM. O crescimento do setor da construção e o aumento da necessidade das novas tecnologias abrirão novas portas laborais a profissionais especializados. Entre os perfis profissionais mais buscados nos fluxos de trabalho BIM, encontram-se BIM Managers, BIM Modelling Specialists, BIM Consultants e BIM Modellers. 

A Zigurat nasce com o objetivo de culminar esta lacuna, oferecendo cursos de aperfeiçoamento e masters em BIM e desenho paramétrico 100% práticos e focados em treinar os próximos líderes profissionais do mercado. Conheça mais sobre os nossos cursos e acompanhe as revoluções tecnológicas do setor da construção.

O seguintes artigos podem ser do seu interesse:

O presente artigo está baseado nas seguintes referências:

Links:

https://www.dinheirovivo.pt/especial/revolucao-40/quando-a-iniciativa-do-estado-pode-fazer-a-diferenca-12805306.html

http://egitaniasciencia2.ipg.pt/index.php/egitania_sciencia/article/view/405/pdf

https://biblus.accasoftware.com/es/el-bim-llega-a-brasil-aqui-estan-los-9-puntos-mas-importantes/

https://blogs.autodesk.com/mundoaec/bim-no-brasil-uma-visao-tecnica-e-juridica/

https://grupoajbim.com/decreto-bim/

https://engetax.com.br/

https://engenharia360.com/os-profissionais-mais-desejados-pelo-mercado-bim/

 

Estudos:

Luedy, L., Couto, P., Falcão, M.J. & Hormigo, J. (2020). Modelação BIM a Partir Dos Requisitos de Informação. ptBIM 2020 – 3º Congresso Português de Building Information Modeling, pp. 799-807. 

Pepe, M., Resende, R. & Pinto, P. (2018). O BIM no ensino da arquitetura em Portugal – O caso do ISCTE-IUL. 2º congresso Português de Building Information Modeling.

Carvalho, P. (2016). Análise estatística do estudo de implementação da tecnologia BIM no setor da construção em Portugal. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil – Especialização em construções. Porto: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Narciso, M. (2016). Contributo para a normalização BIM em Portugal: Proposta de adenda de apoio à contratação. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil. Lisboa: Técnico – Universidade de Lisboa.

 

 

Sem mais artigos