A coleta de dados de campo é uma das principais etapas para elaboração de um projeto de Infraestrutura. Esse aspecto também tem que ser levado em consideração quando utilizado a metodologia BIM, onde saímos do ambiente bidimensional e partimos para o ambiente tridimensional no qual exige modelos que representem os objetos do projeto.

Os métodos da coleta dos dados de campo estão cada vez mais avançado e com diversas ferramentas que nos permite retratar fielmente a situação existente daquela área de estudo, sendo assim estamos captando a realidade daquele local.

A captura da realidade pode ser descrita como: o processo de coleta de dados o qual irá reproduzir os objetos num ambiente virtual, utilizando fotogrametria ou laser scanner para elaborar a representação tridimensional através dos pontos e fotografias coletadas.

Segundo Tom Wujec, no livro The Future of Making, o processo de captura é a utilização de sensores que registram as propriedades e formas dos objetos e as converte em dados digitais.
O resultado esperado é um modelo digital 3D, gerado a partir de milhões de pontos coletados.


Figura 1 – Nuvem de Pontos Recap

Desde a topografia convencional até levantamento por drones e lasers scanners, todos tem a finalidade de retratar a realidade do local de estudo, cada um com suas particularidades.

Topografia Classica

O método de levantamento topográfico clássico ou tradicional, utiliza-se de levantamento através de estações totais ou receptores GNSS, no qual são coletados pontos, esse método de levantamento é muito utilizado e os equipamentos estão cadas vez mais modernos e precisos, algumas estações totais trabalham de forma autônomas e em alguns casos possuem laser scanner acoplada a elas.

Embora esse método de levantamento topográfico tenha precisão milimétrica, comparada a outros tipos de levantamento, demanda um tempo maior e, a quantidade de pontos coletados é menor.

Figura 2 – Levantamento Topografia convencional


Levantamento Laser Scanner

Esse tipo de levantamento utiliza o sistema LIDAR (Light Detection and Ranging ou Obtenção de medidas de distância através da luz), nesse processo os equipamentos de escaneamento a laser, coleta milhões de pontos por segundo, nesse processo além de coletar os pontos muitos equipamentos capturam imagens do levantamento. O Levantamento abrange grandes áreas e o processo de coletas de dados é bem mais rápido comparado a topografia convencional.

Os equipamentos de escaneamento a laser podem ser:

Figura 3 – Tipos Laser Scanner

 

Levantamento com Drone

Esse tipo de levantamento está bem popular atualmente, é utilizado drones no quais conseguem abranger grandes áreas, os dados são imagens coletadas durante o voo e em seguida processadas e gerando os produtos necessários como nuvens de pontos, modelo digital do Terreno e ortofotos

Figura 4 – Levantamento com Drones

Esses tipos de levantamento podem ser usados simultaneamente, para complementar a área levantada quando um método não consegue coletar todos os dados de interesse, e também para serem usadas como pontos de controle com o objetivo de melhorar a precisão no momento do processamentos dos dados.

Modelagem da Realidade – Drones e Laser scanner

Com base nos dados coletados em campo através dos métodos descritos anteriormente, é gerado a modelagem, a seguir é mostrado um fluxo de trabalho utilizando os softwares da Autodesk, porém o fluxo pode ser adaptado para outras linhas de produtos a qual o usuário possuir.

Figura 5 – Fluxo de Trabalho dados Drone/Laser Scanner

Para o processamento dos dados existe duas soluções específicas o Recap Pro e o Recap Photo, onde o primeiro é para o processamento de dados de laser scanner e o processamento é local, o segundo para o processamento de dados de drones nesse caso os dados são processados na nuvem.

Após o processamento os dados podem ser carregados nos softwares de projeto, a partir daí começa o processo de modelagem da realidade capturada.

Essa modelagem tem a finalidade de retratar de forma fiel a situação atual da área de interesse, dessa maneira fornece situação favorável para a elaboração de um projeto mais assertivo.
Vale salientar que independente da metodologia usado para elaboração do projeto, seja ela a metodologia tradicional ou a metodologia BIM, se os dados de topografia, estiverem errados ou inconsistente o projeto também estará.

O software Infraworks permite trabalhar com os dados originados do Recap, ele importa as nuvens de pontos e possibilita a geração da superfície topográfica e da modelagem do cadastro topográfico, nesse caso trabalhando com uma função que extrai os dados verticais:
– Placas
– Poste
– Arvores


Figura 6 – Modelagem Recursos Verticais Infraworks

 

Dados lineares também podem ser extraído de forma automática, a partir da nuvem de pontos, como por exemplo, bordo de pista, meio fio, entre outros elementos.

Figura 7 – Modelagem Recursos Lineares Infraworks

 

Modelagem da Realidade – Topografia Convencional

O processamento e modelagem dos dados da topografia convencional, podem ser feitos utilizando o software Civil 3D, o mesmo possui recursos para processar o levantamento e ajustar com base nas definições desejadas, adotando regras que facilitam a modelagem do levantamento, pode ser usada as opções da ligação automática através das descrições dos pontos coletados em campo, associar elementos 3D de acordo com o estilo de cada ponto coletado, gerar o modelo digital do Terreno entre outros recursos.

Figura 8 – Fluxo de Trabalho dados Topografia Convencional

Seguindo esse fluxo o modelo e usando as ferramentas disponíveis no civil 3D o resultado esperado é demonstrado na imagem a seguir.

Figura 9 – Modelagem topografia convencional

Conclusão

A metodologia BIM está transformando a maneira de como trabalhamos com projetos de engenharia e arquitetura, os profissionais devem estar atualizados para atender a demanda crescente dos projetos em BIM, no âmbito da representação da realidade do local de estudo, tanto os equipamentos quantos os softwares dão suporte para atender tal demanda.

Portanto é necessário evoluir a coleta e representação dos dados, passando do ambiente bidimensional para o tridimensional com as informações necessárias dos objetos, retardando assim de forma fiel no ambiente virtual a situação existente, assim será possível os projetistas desenvolver seus projetos em BIM, dando continuidade do fluxo de trabalho da elaboração de projetos.

Referencias
Ferraz, Rodrigo & Souza, Sérgio & Reiss, Mário. Laser Scanner Terrestre: teoria, aplicações e prática. Revista Brasileira de Geomática, 4. 99. 10.3895/rbgeo.v4n2.5502, 2016
Wujec, Tom , The Future of Making, Melcher Media, 2017
What Is Reality Capture? Disponivel em: https://www.autodesk.com/redshift/what-is-reality-capture/ acessado em 29 jan. 2020

Anderson Santos de Oliveira
Consultor BIM para projetos de Infraestrutura
MBA em Gestão de Projetos.
Engenheiro Agrimensor
Professor convidado em Pós Graduação relacionada a metodologia BIM

Obrigado por se inscrever. Você começará a receber nossas novidades na sua caixa de entrada.
Parece que descobrimos um erro no seu novo pedido de inscrição. Por favor, tente novamente em alguns minutos ou envie um email para [email protected]

Inscreva-se en Engenheiros & Arquitetos

Receba as atualizações entregues diretamente na sua caixa de entrada!