Falar de cidades inteligentes está na moda, mas há muito tempo deixou de ser uma utopia passageira e se tornou um plano de ação para um futuro promissor. Durante o mês de fevereiro, cobrimos em nosso blog vários exemplos de implementação bem-sucedida.

  Falamos sobre a trajetória de Barcelona, que se tornou referência para outras cidades ao iniciar o caminho para se tornar uma cidade inteligente. Também exploramos o Sidewalk Toronto, um projeto único que prevê a construção de um bairro visionário inteligente de 325 hectares nas margens do Lago Ontário. No último estudo de caso, cobrimos vários projetos de futuras cidades inteligentes no México e os esforços que estão sendo feitos por grandes cidades como a Cidade do México e Monterrey para melhorar a qualidade de vida de seus cidadãos por meio de novos recursos inteligentes. Neste artigo, falaremos sobre outro aspecto importante das smart cities, que muitas vezes permanece em segundo plano, que é o impacto social que tem a implementação meditada das estratégias de uma cidade inteligente.

desenvolvimento urbano International Master BIM Manager Zigurat

Além de soar bem

Smart é um adjetivo anglo-saxão que se usa muito e, às vezes, parece que o usamos excessivamente para soar mais sofisticado. Portanto, devemos entender que uma cidade inteligente – uma cidade inteligente autêntica – não é uma cidade dominada por aplicativos, como câmeras de segurança que seguem cada passo que damos. Pelo contrário, é uma cidade que usa novas tecnologias e recursos inteligentes para resolver os problemas mais prementes da cidadania. No post de hoje, vamos nos concentrar na dimensão social das cidades inteligentes. Quando um novo plano de reabilitação urbana é proposto, os desenvolvedores e autoridades municipais geralmente têm três preocupações principais.

  • Como o desenvolvimento será financiado e, por sua vez, que benefícios econômicos ele pode trazer.
  • O impacto ambiental da infraestrutura urbana e sua própria sustentabilidade.
  • Como obter o apoio das partes interessadas locais para implementar o projeto.

Considerando as dimensões ambientais, econômicas e de governança do desenvolvimento sustentável, a dimensão social é freqüentemente uma prioridade menor

Embora os desenvolvedores às vezes avaliem os impactos sociais e de saúde dos planos estabelecidos, na maioria das vezes eles não integram fatores sociais no planejamento e no design. Cidades são lugares dinâmicos. Áreas públicas, casas e centros de transporte oferecem oportunidades únicas para os desenvolvedores criarem impactos potencialmente positivos e benefícios sociais que incluem fortalecer os laços comunitários, permitir o acesso a empregos e tornar as ruas mais seguras para todos.

Boas práticas para melhorias sociais

Em seguida, veremos em alguns casos como os projetistas e construtores podem integrar os objetivos sociais nos principais estágios dos planos de desenvolvimento, desde a concepção do projeto e as opções de design, até o monitoramento e avaliação contínuos para proporcionar benefícios sociais duradouros às comunidades. Essa ideia de ‘sustentabilidade social’, seu funcionamento bem-sucedido e a existência de comunidades a longo prazo estão evoluindo.

Pensamento social durante o planejamento

No ano 2000, Bogotá (Colômbia) abriu seu sistema de ônibus TransMilenio (transporte rápido) para o público. Desde os estágios iniciais de seu planejamento, a rede TransMilenio foi projetada para fornecer acesso a oportunidades de emprego localizadas na periferia da cidade, para pessoas de baixa renda. O sucesso do TransMilenio em melhorar a eqüidade social fornecendo ônibus que conectam áreas de baixa renda com as principais rotas apoia uma idéia mais ampla: tomar cada decisão de desenvolvimento urbano levando em consideração o bem de seus impactos e benefícios sociais. Essa prática constitui a base de soluções inovadoras para integrar práticas justas nas políticas de transporte das cidades, beneficiando moradores de diferentes situações socioeconômicas.

desenvolvimento urbano International Master BIM Manager Zigurat

Fonte: Prefeitura de Bogotá

Projetos que melhoram os resultados sociais e culturais

Decisões políticas de larga escala têm impactos sociais de longo alcance, enquanto opções de projeto urbano podem influenciar as interações entre os indivíduos. Por exemplo, os bairros da cidade de Belfast (Irlanda do Norte), com sua história de divisão sectária, contêm áreas que são o território marcado das comunidades protestantes e católicas. Mesmo os menores detalhes, como de que lado da calçada você anda, as cores das lajes, a direção a partir da qual você entra em um prédio, podem ser poderosos delineadores do território e da identidade étnica. Encontramos um caso em que um desenvolvedor que queria construir um complexo habitacional para inquilinos mais jovens com menos exposição ao sectarismo contratou antropólogos para garantir que o desenvolvimento atendesse a essa meta. A incorporadora contratou esses cientistas sociais para explorar as maneiras pelas quais as características das ruas e os movimentos dos indivíduos em particular refletiam suas identidades étnicas. Os antropólogos recomendaram a colocação das entradas do complexo em áreas neutras para que os moradores pudessem entrar sem revelar sua identidade étnica. Todos os desenvolvedores podem aprender com esse exemplo sobre as ramificações sociais e culturais das decisões de projeto para comunidades e contextos específicos. De forma que eles devem fazer um esforço em seus projetos para dar suporte a resultados positivos semelhantes.

Monitoramento contínuo da contribuição social

A maneira pela qual as contribuições sociais são incorporadas ao projeto e à construção urbana requer avaliação e monitoramento contínuos. Isso garante que os objetivos sociais sejam cumpridos, os planos sejam seguidos e os projetos futuros tenham mais pontos de referência. O Ministério da Saúde da Tailândia encontrou uma fórmula para avaliar os impactos sociais e de saúde do Garden City Project, um plano para construir parques, jardins e espaços verdes em Yala (Tailândia), para benefício público. Após a conclusão do projeto, vendedores de rua e moradores foram observados e entrevistados nas novas áreas verdes. Os pesquisadores descobriram uma maior socialização com amigos e recém-chegados e maiores oportunidades de geração de renda, propondo um conjunto de recomendações para as autoridades locais para melhorar ainda mais o projeto e a vida dos moradores de Yala.

desenvolvimento urbano International Master BIM Manager Zigurat

Fonte: Departamento Tailandês de Saúde

Participação do cidadão em projetos de melhoria

A forma urbana e a participação da comunidade no desenvolvimento urbano são dois elementos cruciais em uma maior influência no comportamento, pensamentos e sentimentos da comunidade. Em Khayelitsha, um município da Cidade do Cabo (África do Sul), o Programa para a Prevenção da Violência através da Melhoria Urbana (VPUU), transformou suas ruas anteriormente arruinadas e perigosas em um lugar mais seguro, vibrante e atraente. Por meio de uma pesquisa e eventos interativos, moradores e profissionais identificaram problemas relacionados ao crime, às necessidades da comunidade e aos padrões organizacionais nos espaços urbanos. Para impedir o crime nesses locais, os moradores ajudaram a implementar novas funções, como passarelas pavimentadas e iluminação pública, proporcionando rotas seguras através de densos assentamentos informais. Esses novos recursos tornaram a comunidade um lugar mais seguro. De fato, a taxa de homicídios foi reduzida em 39% entre 2003 e 2010, o que geralmente é maior em uma comunidade de baixa renda. Impactos sociais positivos adicionais incluem oportunidades de emprego para residentes e aconselhamento de traumas para mulheres. Essas soluções promovem comportamentos positivos na comunidade, como colaboração e sentimentos de orgulho e segurança.

Nova medida de sucesso

Como vimos neste post, a implementação de uma cidade inteligente não se limita ao uso de muitos gadgets, mas vai muito além. É antes uma filosofia e ideologia para garantir uma melhoria constante em nossas vidas. Pequenas mudanças em nossa maneira de construir e entender espaços podem ter repercussões importantes para as pessoas que os habitam. É por isso que é importante que uma cidade não seja smart apenas pelo nome ou pela imagem que deseja dar, mas por sua essência. desenvolvimento urbano International Master BIM Manager Infraestruturas Zigurat

Sem mais artigos