A indústria AECO está em constante mudança devido a sua digitalização, que tem como consequência o uso da metodologia BIM.

Em uma visão global do BIM,  essa transformação faz com que se tenha que atender 3 necessidades importantes:

  • fazer mais com menos, ou seja,  sermos rápidos e eficientes.
  • trabalho em equipe, o qual pressupõe a colaboração entre os diversos players
  • tecnologia como ferramenta – uso de softwares e plataformas

 

O BIM e as diversas áreas do setor AECO

Na visão global do BIM nos dias de hoje, a tecnologia está ao serviço daquilo que se fazia antes, porém, de uma maneira mais rápida e efetiva.  

Por isso, a arquitetura é capaz de apresentar processos e conceber objetos que não eram possíveis sem a essa transformação tecnologica.

A engenharia atualmente baseia-se na automatização somada com as componentes: industrialização, modernização e internacionalização.

Já a construção está pautada em novos modelos de negócios que visam o controle de custos através do compartilhamento dos riscos da obra com todos os envolvidos e o trabalho colaborativo.

A indústria da operação, que antes não era tão expressiva, hoje ganha destaque com a adesão da sustentabilidade e por meio de  benefícios significativos de construção, fabricação e pós-construção fornecidos pelo usuário final.

 

O BIM e a construção Virtual

O BIM rompe com a maneira antiga de trabalhar. A tecnologia moderniza processos nas diversas áreas do setor AECO, pois possibilita construir virtualmente um objeto já sabendo dados detalhados, como: volume, tempo que tardará para ser construído e o 3D- o design.

Dessa maneira, o Building Information Modeling, por meio da construção, informação e modelado, é uma metodologia para compartilhamento de informação e comunicação entre todos os stakeholders durante todas as fases do ciclo de vida de um projeto.

LOD

O elemento BIM tem níveis de detalhamento das informações, e, é através do LOD (Nível de desenvolvimento), que é sabida e definida quão detalhadas devem ser no modelo as informações de um elemento BIM. Sendo assim, os elementos são categorizados em uma visão global do BIM, como:

  • LOD 100 – O modelo é representado como um estudo de massa e os seus elementos podem ser representados graficamente por meio de símbolos, linhas ou volumes genéricos.
  • LOD 200 – Os elementos possuem geometrias com dimensões, formas, quantidade e localização próximos aos reais. Outras propriedades de informações podem estar vinculadas ao elemento.
  • LOD 300 – Os elementos possuem geometrias com dimensões, formas, quantidade e localização que refletem as condições reais do empreendimento. Outras propriedades de informações podem estar vinculadas ao elemento.
  • LOD 400 – Idem ao LOD 300, porém os elementos do modelo permitem ser utilizados para gerar documentos de fabricação e/ou montagem para a construção.
  • LOD 500 – Os elementos refletem o modelo conforme construído em termos de dimensões, forma, localização, quantidade, posição, dados técnicos e fabricante – as-built.

Objetos BIM

Outra visão global do BIM é a respeito dos objetos, que hoje são desenvolvidos em múltiplas bibliotecas ou até mesmo dentro das empresas, de maneira pessoal e personalizada para resolver os problemas de seus projetos.

Mas não podemos pensar que a classificação de objetos soluciona tudo o que diz respeito a um projeto, os objetos são apenas uma componente do BIM, mas deve estar integrado com as outras componentes: profissionais integrados durante o processo e quantificação de custos.

 

Software BIM

Além disso, para ter sucesso na implementação BIM temos que entender a importância do software,  assim, é preciso conhecer as ferramentas que existem, não ficar refém apenas de uma marca e sim, saber escolher aquela que é a mais apropriada para atender as necessidades do projeto.

 

O estado de implementação do BIM

A implementação de BIM está acontecendo a nível mundial e em todos os cantos do mundo existem iniciativas importantes e entidades que se esforçam para desenvolver standards e legislação nessa área.  

Também há escolas/organizações de arquitetura e engenharia que se empenham em disseminar e difundir a técnica que envolve a metodologia BIM.

Há países que já estão mais desenvolvidos neste quesito e outros menos, e, é necessário ter cuidado na adaptação dos standards que já existem.

 

Abordagens de implementação BIM

A visão global do BIM em relação às iniciativas para a criação dos standards podem ser :

  • Top Down (de cima para baixo): é realizada a partir de iniciativas governamentais que passam a obrigatoriedade da adesão do BIM  para a organização e terminam nos projetos.
  • Bottom Up (iniciativas intervenientes da indústria) : a necessidade da indústria de fazer mais e melhor e também de controlar os custos, obrigam de baixo para cima a usar processos  em que o BIM é essencial. Assim,  devido a demanda, esse tipo de iniciativa se inicia no projeto, passa pela organização e torna o BIM obrigatório a nível nacional.

 

Nível de maturidade BIM

Para mensurar em que nível de maturidade BIM a empresa está, há algumas classificações de acordo com o que se é realizado com a metodologia e do grau de desenvolvimento BIM:

  • Pré BIM: Prática tradicional. Desenhos e detalhes 2D, falta de interoperabilidade, fluxo de trabalho baseado em documentação.
  • BIM Level 1: Modelagem baseada em objetos. Modelagem 3D, automação de detalhamento, quantitativos e visualizações 3D.
  • BIM Level 2: Colaboração baseada em modelo. Compartilhamento de informações e intercâmbio entre disciplinas, uso do 4D (tempo) e 5D (custo), detecção de conflitos entre disciplinas, análises.
  • BIM Level 3: Política Integrada. Modelo multi-dimensional, análises complexas em etapas iniciais envolvendo sustentabilidade, custo, processo lean, comunicação sincronizada, colaboração através do servidor.  

 

Ensino e treinamento BIM

Em uma visão global de BIM, atualmente o mercado mundial já exige a capacidade de acesso ao ensino e ao treinamento BIM.  Há também uma forte demanda de projetos BIM e como consequência disso,  um aumento na quantidade de formações que capacitam o profissional AECO a nível de habilidades com softwares BIM e com processos BIM.

Para saber mais sobre essa visão global do BIM no setor AECO, assista à palestra de José Carlos Lino, engenheiro civil, fundador da Newton Engenharia e da BIMMS e diretor do International Master BIM Manager / International Master BIM Manager Infraestruturas, formação referência no que diz respeito a BIM.

 

 

visão global do bim international master bim manager

 

visão global do bim international master bim manager infraestruturas

Sem mais artigos