A GESTÃO TRADICIONAL DE PROJETOS NA INDÚSTRIA DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO (AEC) PROVOU SER INEFICIENTE. OUTRAS INDÚSTRIAS, COMO A INDÚSTRIA AUTOMOTIVA, ADOTARAM AS NOVAS FILOSOFIAS DE PRODUÇÃO E GESTÃO NO FINAL DOS ANOS 80, SEGUIDAS PELOS FABRICANTES DE OUTRAS INDÚSTRIAS, INCLUINDO OS SETORES DE TECNOLOGIA E SERVIÇOS.

No entanto, a indústria E&C permaneceu estagnada durante décadas nos mesmos sistemas de gestão. Diferentes estudos publicados durante as últimas duas décadas colocam a indústria E&C na base do ranking em termos de produtividade, eficiência, qualidade, segurança ou uso de novas tecnologias.

Algumas das causas típicas pelas quais falham os projetos


  • Projetos incompletos, mal analisados e pouco detalhados.
  • Ausência de sistemas de medição de desempenho, não apenas aqueles relacionados ao cronograma como também custos, produtividade e qualidade, mas também aqueles focados na satisfação do cliente.
  • Falta de coordenação entre os diferentes atores.
  • Utilização de métodos obsoletos no planejamento, controle e gestão da produção que causam o descumprimento sistemático dos prazos.
  • Contratos baseados no confronto, desconfiança mútua e falta de transparência entre as partes envolvidas em todo o processo, condicionando o risco sob a cadeia de suprimentos.
  • Equipes de trabalho fragmentadas, seja na fase de projeto, fabricação ou construção, fortemente hierarquizados, que geram uma guerra de interesses entre as partes envolvidas, ameaçando o trabalho em equipe e a cooperação.
  • A participação dos diferentes atores no processo de projeto e construção acontece em diferentes momentos, sem espaços para colaboração. Esta organização dificulta a comunicação e prolonga o processo de detecção de problemas.
  • O esforço unilateral é encorajado e o sucesso do projeto é diluído entre os interesses pessoais de cada parte.
  • O trabalho é realizado de maneira isolada, o que causa problemas devido à falta de comunicação efetiva entre os membros da equipe de projeto-manufatura-construção.
  • Não há aprendizagem sistemática e as curvas de aprendizagem são muito longas. As idéias e melhorias são perdidas de um projeto para o outro e quando conservadas, são convertidas em porcentagens muito baixas.

Chaves do sucesso


Lean Construction Management oferece uma abordagem diferente e inovadora que procura maximizar a entrega de valor e a eficiência em todas as fases do projeto. Os fatores de sucesso podem ser agrupados em 4 grandes áreas:

1. Modelo de contrato

Modelos de contratação baseados na colaboração e na confiança.

Os objetivos de custo, planejamento e entrega de valor ao cliente são usados como critérios primários de projeto desde o início, usando feedback constante entre as decisões de projeto e os resultados do custo, em vez de esperar até o final da fase de projeto para fazer uma estimativa de custo.

Este modelo não projeta unilateralmente em disciplinas isoladas, mas estabelece as diretrizes para as quais foi projetada e envolve a todos que farão parte do projeto, fabricação, construção, uso e processo de manutenção na tomada de decisões.

2. O sistema de gestão de projetos

É necessária uma gestão baseada em uma liderança forte e não na abordagem tradicional de comando e controle.
Uso de técnicas de planejamento colaborativo.
O projeto, a fabricação e a construção são planejados como um processo.
O sistema de gestão requer uma estrutura de equipe integrada.

3. Estratégias de tipo social

O novo sistema requer o envolvimento precoce das principais partes interessadas.
Tomada de decisão colaborativa e consensual. As barreiras de comunicação e estruturais são removidas.
As informações são compartilhadas em servidores comuns. Aprendendo a trabalhar com informações incompletas.

4. Inovação, aprendizagem e uso de tecnologias apropriadas

Uso apropriado de novas tecnologias, a serviço das pessoas e que simplificam os processos.
A inovação e a melhoria contínua são incentivadas. Para este fim, são utilizadas ferramentas como o Last Planner System, que envolvem toda a equipe e contribuem para reduzir as curvas de aprendizagem.
Se fomenta o uso da padronização de processos, medição e análise de indicadores-chave de desempenho.
Uso de tecnologias e metodologias como BIM, Ambientes de Dados Comuns, aplicações on-line para comunicação e trabalho em equipe, ou Gerenciamento Inteligente de Dados, entre outros.

 

A indústria E&C está enfrentando grandes desafios e mudanças que acontecerão a um ritmo cada vez mais rápido. Empresas que não se adaptarem a tais mudanças serão superadas pela concorrência, como mínimo, em uma grande parte de projetos que exigem maior uso das novas tecnologias e novos sistemas de gestão.

 

Autor do artigo: Juan Felipe Pons Achell, diretor do Master Internacional em Gestão de Projetos na Construção (Edição espanhola)

Sem mais artigos